Imprensa

Governo da cidade reconhece dificuldades dos professores

Governo da cidade reconhece dificuldades dos professores

O governo da cidade de Maputo afirma estar ciente das preocupações que afligem os profissionais da educação na capital moçambicana, e garante estar a trabalhar na busca de soluções.

Estas são as palavras da governadora da cidade de Maputo, Iolanda Cintura, proferidas hoje durante uma audiência que concedeu a um grupo de representantes da Organização Nacional de Professores (ONP) que se deslocou ao seu gabinete para saudá-la por ocasião da passagem do Dia dos Professores, que se assinala quinta-feira em todo o país.

 Reconhecemos o papel preponderante que os professores desempenham. Por isso, queremos assegurar que o governo da cidade de Maputo fará tudo para que dentro das condições e possibilidades existentes possa ir resolvendo paulatinamente as preocupações que ainda afligem o professor”, disse.

 A governadora adiantou que o governo já iniciou o processo de pagamento das horas-extras referentes aos primeiros dois trimestres do ano em curso.

 Temos processos de pagamentos em curso referentes as horas-extras, sendo um dos quais correspondente aos professores que estiveram envolvidos nos jogos escolares, nos meses de Abril e Agosto”, disse.

Aliás, disse Cintura, o governo da cidade desembolsou cerca de 119,4 milhões de meticais (cerca de dois milhões de dólares ao câmbio corrente) para o pagamento de horas-extras dos professores e segunda turma, referentes ao período compreendido entre Janeiro a Setembro do corrente ano.

 Por seu turno, os professores, representados pelo Secretário Provincial Executivo da ONP, Azevedo Witinesse, mostraram-se apreensivos com a qualidade do ensino no país.

 Preocupa-nos a questão da qualidade de ensino que tem vindo a decair nos últimos anos”, disse Witinesse.

 Explicou que, na qualidade de actores principais do processo de ensino e aprendizagem, em Moçambique, os professores comprometem-se a tudo fazer para melhorar o actual cenário, que em nada dignifica a classe.

 Os docentes ressalvaram a importância para a resolução dos problemas que enfrentam no exercício da sua actividade, para que continuem empenhados no nos seus postos de trabalho.

Esperamos que as situações que nos afligem sejam ultrapassadas, tais como a disparidade do dia do pagamento do salário e das horas extras, e a falta de progressão na carreira profissional. Encorajamos o governo a continuar a empreender esforços de modo a melhorar as condições de vida e de trabalho dos professores”.

AIM